Uma mostra da grande confiança que o papa tem no cardeal Burke dado que infelizmente não há nenhum bispo nem eclesiástico mais próximo à ilha para enviá-lo

Adelante la Fe | Tradução Airton Vieira – A Agência Asociated Press noticiou um comunicado informando que o cardeal Burke foi enviado pelo papa à remota ilha de Guam, no Pacífico ocidental, para investigar um caso de abusos sexuais. Por suposto não sejam mal intencionados porque não há intenção alguma nisto de afastá-lo de Roma ou chamar-lhe à atenção, é só uma mostra da grande confiança que o papa tem no cardeal Burke dado que infelizmente não há nenhum bispo nem eclesiástico mais próximo à ilha para enviá-lo.
[Nota de Sensus Fidei: O arcebispo Anthony Apuron foi um dos prelados que assinou o opúsculo Opção Preferencial pela família – 100 perguntas e respostas a respeito do sínodo dos bispos ( cf. IPCO – Opção Preferencial pela Família (PDF) ). Os outros foram Dom Aldo de Cillo Pagotto, Dom Robert Vasa, Mons. Athanasius Schneider. Dois deles foram suspeitosamente acusados de abuso sexual, depois de baterem de frente com o sínodo, que entre outras coisas pretendia deixar uma porta aberta para o casamento gay e a comunhão de recasados, conforme oportunamente ressalta em seu comentário nosso leitor Marcelino Pachuczki.]

“CIDADE DO VATICANO (AP) — O Vaticano enviou um cardeal romano, protagonista de choques reiterados com o papa Francisco, à ilha de Guam para investigar um caso de abuso sexual. O diário Pacific Daily News informou que o cardeal Raymond Burke deve entrevistar um ex acólito que diz ter sofrido abuso sexual pelas mãos do arcebispo Anthony Apuron. Apuron, de 71 anos, deve responder a múltiplas denúncias de abusos sexuais de acólitos nos anos de 1970. Rejeitou as acusações e não foi acusado penalmente. Burke, um conservador doutrinário estadunidense, presidiu a corte suprema do Vaticano até 2014, quando Francisco o destituiu e o nomeou patrono da ordem religiosa Cavalheiros de Malta. Recentemente, Francisco destituiu a Burke desse posto em função de uma crise na ordem.”

Publicado originalmente: Adelante la Fe – El papa envía al cardenal Burke a la perdida isla de Guam, a 12.000 km de Roma

Papa envia cardeal Burke à longínqua ilha de Guam, a 12.000 km de Roma

2 ideias sobre “Papa envia cardeal Burke à longínqua ilha de Guam, a 12.000 km de Roma

  • 18 de fevereiro de 2017 em 21:04
    Permalink

    Muito bem. O que pode apurar O Cardeal Burke diante de um arcebispo que defende a família? Que há uma hipocrisia generalizada e lama para envergonhar aqueles que defendem a moral cristã? Esperemos a conclusão do Cardeal Burke. Esperemos para ver se vamos ter acesso à verdade de sua investigação. Por fim esperemos pelos ataques aos outros prelados que foram contra o sínodo.

    Resposta
  • 17 de fevereiro de 2017 em 00:34
    Permalink

    Q arcebispo Anthony Apuron foi um dos prelados que assinou o opúsculo Opção Preferencial pela família – 100 perguntas e respostas a respeito do sínodo dos bispos ( http://ipco.org.br/ipco/loja/produto/opcao-preferencial-pela-familia-pdf/#.WKZfxm8rK9I ) . Os outros foram Dom Aldo de Cillo Pagotto, Dom Robert Vasa, Mons. Athanasius Schneider. Dois deles foram acusados de abuso sexual, muito suspeito, depois de baterem de frente com o sínodo, que entre outras coisas queria aceitar o casamento gay e comunhão de recasados. Parece coisa de político brasileiro, que quando se vê acusado de algo desonesto, em vez de se defender, procura desqualificar seu adversário.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

WP-Backgrounds by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann