Queridos padres, devemos ouvir novamente o lamento de Deus proclamado pelo profeta Jeremias: “eles voltaram suas costas para mim” (2:27). Voltemo-nos novamente para o Senhor!
CS
Cortesia de Sacra Liturgia

John-Henry Westen – LifeSiteNews | Tradução Sensus fidei: LONDRES, 05 de julho de 2016 (LifeSiteNews) – Falando em uma conferência sobre a liturgia em Londres ontem (dia 4 de julho de 2016), o Cardeal Robert Sarah, a mais alta autoridade sobre o assunto na Igreja Católica sob o Papa Francisco, pediu a todos os bispos e sacerdotes para que adotem a antiga postura na Missa, onde o sacerdote se volta para o tabernáculo, juntamente com a congregação, em vez de permanecer de frente para o povo. Ele pediu que a postura seja adotada para o Advento deste ano, que começa em 27 de novembro. Durante o mesmo discurso, Cardeal Sarah encorajou todos os católicos para que recebam a Comunhão de joelhos. Durante sua conferência, o prefeito da liturgia do Vaticano revelou que o Papa Francisco lhe pediu para “continuar o trabalho litúrgico iniciado pelo Papa Bento.”

RELACIONADOS

O anúncio foi imediatamente reconhecido pelo vice-editor Dan Hitchens do Catholic Herald como “o maior anúncio litúrgico desde o motu proprio Summorum Pontificum de Bento XVI em 2007, dando maior liberdade para os sacerdotes para celebrar a Missa Tradicional em latim.”

Observadores do Vaticano estão particularmente chocados de que o Papa Francisco, considerado por muitos como um liberal, tenha incentivado uma abordagem litúrgica mais tradicional. No entanto, o cardeal Sarah disse: “Nosso Santo Padre Francisco tem o maior respeito pela visão litúrgica e medidas do Papa Bento”.

O bispo francês Dominique Rey, presente na conferência, assumiu o pedido do Cardeal Sarah sem hesitação, prometendo, pelo menos, começar a implementar a mudança em sua diocese para o Advento. Rey, Bispo de Fréjus-Toulon, dirigiu-se ao Cardeal Sarah na conferência, dizendo: “Em resposta ao seu apelo gostaria de anunciar, agora, que, certamente, no último domingo do Advento deste ano em minha celebração da Santa Eucaristia na minha catedral, e em outras ocasiões, conforme apropriado, deverei celebrar ‘ad orientem’ — voltado para o Senhor que vem”. Dom Rey acrescentou: “Antes do advento eu enviarei uma carta aos meus sacerdotes e fiéis sobre esta questão para explicar a minha ação. Devo incentivá-los a seguir o meu exemplo.”

Cardeal Sarah usou o seu patrimônio africano para conduzir as coisas ao ponto certo. “Eu sou um africano”, disse ele. “Deixe-me dizer claramente: a liturgia não é o lugar para promover a minha cultura. Pelo contrário, é o lugar onde minha cultura é batizada, onde minha cultura é levada para o divino.”

Sarah sugeriu que os Padres do Concílio Vaticano II pretenderam trazer mais fiéis para a missa, no entanto, a maior parte do esforço falhou. “Meus irmãos e irmãs, onde estão os fiéis dos quais os Padres do Concílio falaram?”, Perguntou.

O cardeal continuou:

Muitos dos fiéis são agora infiéis: eles não participam todos na liturgia. Para usar as palavras de S. João Paulo II: muitos cristãos estão vivendo em um estado de “apostasia silenciosa” e eles “vivem como se Deus não existisse” (Exortação Apostólica Ecclesia in Europa, 28 de junho de 2003, 9). Onde está a unidade que o Concílio espera alcançar? Nós ainda não chegamos a ela. Fizemos um progresso real em chamar toda a humanidade para o seu lugar na Igreja? Eu não acho. E, contudo, já fizemos muitíssimo pela liturgia!

Ele expressou “profundo pesar” pelas “muitas distorções da liturgia em toda a Igreja de hoje”, e propôs que a “Eucaristia é um dom demasiado grande para suportar ambiguidades e reduções.”

Um tal abuso que mencionado por ele é quando os padres “se afastam para permitir que os ministros extraordinários distribuam a sagrada Comunhão”, desde que muitos sacerdotes pensaram ser uma maneira de permitir uma maior participação dos leigos de maneira mais substancial na missa. Em vez disso, disse o cardeal Sarah, “isso é errado, é uma negação do ministério sacerdotal, bem como uma clericalização dos leigos.”

“Quando isso acontece, é um sinal de que a formação foi muito errada, e que precisa ser corrigida”, acrescentou.

Ele incentivou uma recepção generosa da Missa tradicional em latim e também incentivou as práticas tradicionais propostas anteriormente pelo Papa Bento, incluindo o uso do latim na Missa nova, ajoelhando-se para a Santa Comunhão, bem como o canto gregoriano. “Devemos cantar música sacra litúrgica não apenas música religiosa, ou pior, canções profanas”, disse ele. “O Concílio nunca teve a intenção de que o rito romano fosse exclusivamente celebrado em língua vernácula. Mas tinha a intenção de permitir a sua maior utilização, em particular para as leituras.”

Falando de ajoelhar-se para a Santa Comunhão, o prefeito da liturgia do Vaticano lembrou os sacerdotes de que eles estão proibidos de negar a comunhão aos fiéis que se ajoelham para a recepção do Sacramento. Além disso, ele encorajou todos a receber a Comunhão ajoelhados, sempre que possível. “Ajoelhar-se na consagração (a menos que estejam doentes) é essencial. No Ocidente, esse é um ato de adoração corporal que nos humilha diante de nosso Senhor e Deus. É um ato próprio de oração. Onde essa reverência e genuflexão desapareceram da liturgia, é necessário que sejam restauradas, em particular no momento da nossa recepção a Nosso Santíssimo Senhor na Sagrada Comunhão.”

Uma longa seção de sua palestra foi dedicada a conclamar os sacerdotes e bispos a celebrar a missa “ad orientem” ou, seja, com as pessoas voltadas para Nosso Senhor. Aqui estão os trechos principais:

Mesmo que eu sirva como o Prefeito da Congregação para o Culto Divino, faço-o com toda a humildade, como um padre e um bispo, na esperança de que se promova uma reflexão madura, boa formação e boas práticas litúrgicas em toda a Igreja.

Eu quero fazer um apelo a todos os sacerdotes… Eu acredito que é muito importante que nós retornemos o mais rapidamente possível para uma orientação comum, dos sacerdotes e dos fiéis voltados juntos na mesma direção — para o Leste, na direção do Senhor que vem— naquelas partes dos ritos litúrgicos quando estamos nos dirigindo a Deus… Eu acho que é um passo muito importante no sentido de garantir que, em nossas celebrações o Senhor esteja verdadeiramente no centro.

E então, queridos padres, peço-lhe para que implementem essa prática sempre que possível, com prudência e com a catequese necessária, certamente, mas também com a confiança pastoral de que isso é algo bom para a Igreja, algo bom para o nosso povo.

Vosso próprio julgamento pastoral irá determinar como e quando isso é possível, mas, talvez, a partir do primeiro domingo do Advento deste ano… pode ser um bom momento para se fazer isso. Queridos padres, devemos ouvir novamente o lamento de Deus proclamado pelo profeta Jeremias: “eles voltaram suas costas para mim” (2:27). Voltemo-nos novamente para o Senhor!

Gostaria de apelar também aos meus irmãos bispos: por favor, levem os seus sacerdotes e o povo para o Senhor, desta forma, especialmente em grandes celebrações em suas dioceses e na sua catedral. Por favor, formem seus seminaristas na realidade de que não são chamados ao sacerdócio para ser o centro de um culto litúrgico voltados para nós mesmos, mas para levar os fiéis de Cristo até Ele, como companheiros de adoração. Por favor, facilitem esta reforma tão simples, mas profunda em suas dioceses, em suas catedrais, em suas paróquias e em seus seminários.

Durante todo o discurso, Cardeal Sarah destacou a grave responsabilidade dos sacerdotes em relação a Eucaristia. “Nós sacerdotes, nós bispos temos uma grande responsabilidade”, disse ele. “Com o nosso bom exemplo construímos uma boa prática litúrgica; com o nosso descuido ou má conduta prejudicamos a Igreja e a sua Sagrada Liturgia! “

Ele advertiu seus colegas sacerdotes, “Tenhamos cuidado com a tentação da preguiça litúrgica, porque é uma tentação satânica.”

Publicado originalmente: LifeSiteNews – Vatican Liturgy Chief asks all priests and bishops to face east for Mass, faithful to kneel for Communion

Prefeito da Liturgia do Vaticano pede neste Advento que todos sacerdotes e bispos celebrem a missa “ad orientem” e fiéis ajoelhem-se para a Comunhão

60 ideias sobre “Prefeito da Liturgia do Vaticano pede neste Advento que todos sacerdotes e bispos celebrem a missa “ad orientem” e fiéis ajoelhem-se para a Comunhão

  • Pingback: Mapa: O avanço da Missa Tradicional na Europa

  • Pingback: Como faço para saber se a Missa que assisto é válida?

  • Pingback: Movimento do Bispo Morlino para Missas “ad orientem” em Madison

  • 2 de agosto de 2016 em 21:51
    Permalink

    Retrocesso…que triste quem usa esta palavra… quer dizer que toda mudança é tolerada? Depende da época em que se está? Então em um futuro distante pode mudar mais alguma coisa de novo? Porque pra mim a Missa com o sacerdote versus populum fechou o círculo, virando um banquete protestante… mas não, vamos pensar de uma forma iluminada (Iluminismo: tragédia ocorrida após o chilique de Lutero que agiu no âmbito religioso com sua reforma protesto) que mudou todo o pensamento de várias gerações, colocando a razão do homem como nova deusa, culminando no que temos hoje (amor Philos e Eros como natural e Ágape= um palavrão, inatingível ou distorcível… é mui extenso o estrago a que fomos condicionados,carregamos até hoje e temos como “normal”).
    Jesus já se perguntava quando voltasse à terra, se ainda haveria fé… temo realmente que poderá não encontrar,porque o MÍNIMO, que é deixar a Santa Missa em sua forma tradicional é tão insuportável, quiçá ,em doses homeopáticas, dentro em breve haverá ,debaixo de onde estiver escrito Os Dez Mandamentos , uma listinha com a palavra “exceto se…”.

    Imaginem quantos Santos assistiram à Santa Missa Tradicional como nós que a prestigiamos nos dias turvos de hoje? Retrocesso…hum…
    Só uma coisa: Deus e sua Igreja são atemporais… Ele não está preocupado com modas e bens materiais muito menos mesquinharias de época… pois os anos são como o dia de ontem…e a vida de um homem para Ele é como o dia que nasce, entardece e se finda ao o pôr do sol… chegaria o dia em que teremos que deixar de batizar os convertidos e passar a converter os batizados…como católica, meu coração se despedaça…

    Resposta
  • 24 de julho de 2016 em 20:08
    Permalink

    Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Mãe Maria Santíssima!
    No nosso Instituto Hesed dos Irmãos e Irmãs da Santa Cruz e da Bem Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, nós Leigos já comungamos ajoelhados
    Santa noite povo de Deus

    Resposta
  • Pingback: Um modelo de carta ao seu Bispo solicitando liturgia “ad Orientem”

  • Pingback: Desabafo: Um esforço para devolver à Santa Missa (forma Ordinária) o caráter sacrificial

  • Pingback: Contra Cardeal Sarah: os amargos e nocivos frutos da ideologia

  • Pingback: Comunicado oficial distorce Instrução Geral do Missal Romano para desautorizar publicamente Prefeito da Sagrada Congregação para o Culto Divino

  • Pingback: Cardeal Robert Sarah e a orientação litúrgica "ad orientem" - "um passo muito importante no sentido de garantir que, em nossas celebrações o Senhor esteja verdadeiramente no centro." - fabianomartatobias.com.br

  • Pingback: Vaticano esclarece afirmações do Cardeal Sarah sobre a celebração da Missa

  • 11 de julho de 2016 em 21:44
    Permalink

    Enfim a Santa Sé deu seu parecer e disse que não está prevista “reforma da reforma”. Não sejamos ingênuos em pensar que para os expetaculistas, missa “ad orientem” irá conter. Aqui não se trata de competições entre conservadores e modernistas, como uma visão eclesiástica de mortadelas X coxinhas. Isso se trata de um maniqueísmo pernicioso e nada produtivo em termos litúrgico-teológicos. O problema que temos hoje não são os modernistas, mas os “modinistas”. Estes até usam da roupagem conservadora para seus shows. Haja vista o uso de batinas, paramentos luxuosos, valorização estética que não tem como objetivo oferecer “o melhor para o Cristo” nem fazer com que o Cristo seja o centro, mas unicamente focalizar na centralidade do ego. Isto é o problema e não é mudança de “posição” que irá conter. O defeito é de “fábrica”, ou seja, está dentro, não fora.

    Resposta
  • 11 de julho de 2016 em 15:29
    Permalink

    Admiro a postura do cardeal africano,sobretudo por ser apoiada pelo Papa Francisco, a quem são atribuidas tantas deturpações quanto a doutrina e disciplina da Igreja.Lamento o fato de achar pouco provável que isso aconteça,diante de um tantos sacerdotes que perderam o sentido e o alvo de sua vocação,que fazem da missa,do altar e do sacerdócio,palco para sua promoção pessoal e nada mais.Que não estão nem um pouco preocupados com a celebração do mistério,bem como dos fiéis que fazem da celebração da santa missa, uma sessão terapêutica,empobrecendo todo sentido e riqueza espiritual da liturgia da Igreja.Duvido muito que certo sacerdote que celebra apenas uma vez por mês,alegando não ter tempo, e ainda insiste em continuar no ministério,e fiéis que vão embusca de espetáculos de padres tenham a capacidade de captar tão profundo sentido espiritual.

    Resposta
  • 9 de julho de 2016 em 21:53
    Permalink

    Que seja o primeiro empurrão para voltar a missa milenar Tridentina.
    Que volte a ser 100% como antes do concílio pastoral vaticano II.
    Assim como foi pastoral e não dogmático não teve NENHUM motivo de ter sido alterada a Santa Missa, aproximando-se MUITO a um culto luterano.
    Que voltemos a ser 100% católicos.
    Parabéns pe Sarah.
    Deo Gratias

    Resposta
  • 8 de julho de 2016 em 17:57
    Permalink

    AMEI, mas tem sacerdote que nem a pruficação estão fazendo, nem missal seguem, só juraram obediencia, apartir do momento que se tornou sacerdote fazem do jeito deles ele que fazem as regras, o sacrario que deveria estar no centro da igreja ou do lado direito e vai por ai, triste mas não custa tentar Deus abençoe e ilumine os nossos sacerdotes

    Resposta
    • 9 de julho de 2016 em 10:05
      Permalink

      Os Mussulmanos demonstram, nas suas orações, mais piedade a Maomé, do que muitos Sacerdotes demonstram celebrando a Santa Missa…

      Resposta
  • 8 de julho de 2016 em 16:09
    Permalink

    Engraçado… muito se fala em doutrinas, dogmas, concílios, modo de celebrações. Mas o texto o qual é referenciado, fala sobre a idolatria do povô se Israel. Deus não deixava faltar nada e ainda assim o povo continuava sendo idolatra e desobediente. O “virar as costas” citado em Jeremias não quer dizer nada além da idolatria do povo, que trocava Deus por deuses de madeira e pedra. E não eh muito diferente hoje. Toda honra e toda Glória sejam dadas a Ele. Agora… tem muitos católicos colocando dogmas e doutrinas de homens na frente das Sagradas escrituras e ainda distorcendo o verdadeiro significado de um versiculo por conveniencia… Temos que vigiar para que não façamos rituais e muito menos heréticos…
    “O meu povo peca porque lhes falta conhecimento.”

    Resposta
    • 10 de julho de 2016 em 21:56
      Permalink

      eu só não sei o que um protestante que não sabe nada da vida litúrgica da igreja e de seu sistema milenar ta fazendo aqui opiando sobre algo que é nosso,amigo vai criticar e opinar no teu salão aqui critica opina quem é da fé até porque tua opinião aqui é irrelevante,não me entenda mal mas vcs são inconvenientes para caramba ,sua interpretação das coisas não é a nossa e o que vale para Deus e para nós é o sentido q damos as coisas não o achismo de quem adora ter o martelo da critica e dos julgamento,na moral cada um no seu quadrado.

      Resposta
      • 10 de julho de 2016 em 21:58
        Permalink

        opinando#(Correção) vai viver tua fé do teu jeito e deixa q a nossa vivemos que coisa chata.

        Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 20:47
    Permalink

    Sensacional! Excelentes agouros, isto sim.

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 18:42
    Permalink

    Sou a favor de uma liturgia voltada somente a Sagrada Eucaristia com muito respeito e conhecimento da verdadeira fé, o importante é O Cristo ser o centro da celebração.

    Resposta
  • Pingback: Celebrem a missa Ad Orientem e fiéis ajoelhem-se para a Comunhão

  • 7 de julho de 2016 em 16:39
    Permalink

    Esse retorno para o sagrado é o que precisamos… A nossa Igreja embora presente no mundo terreno ela é Divina, Transcende para o espiritual… e tudo isso é fomentar o respeito a eucaristia e aquilo que é fundamento na nossa espiritualidade. É o momento de instaurar um nova “cruzada” nos tempos modernos e resgatar os valores perdidos pelo secularismo religioso, tanto diante dos leigos, mas principalmente dos sacerdotes. Que o Espirito Santo fortaleça e proteja nossa santa madre igreja!

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 16:02
    Permalink

    Concordo sim em parte ! Acho retroceder ao tempo de celebrar a Santa Missa em latim já não teria um bom acolhimento devido a participação da assembleia que com isso ficaria com dificuldade de acompanhar a celebração ! Mas sou sim muito a favor de que haja um pouco mais de rigidez em relação aos fiéis em se comportarem de forma decente com vestes apropriadas para a ocasião indo vestidos adequadamente levando em consideração ao local que é a casa de Deus lugar de orações e também louvações à Deus !!

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 15:43
    Permalink

    Eu honestamente fico um pouco em dúvida quanto retornar ao passado em que as missas eram celebradas em latim isso por que acho que como está sendo celebradas facilita a todos da assembleia participarem mais da Santa missa em razão de se ter um melhor entendimento! Com tudo eu acho também que está havendo um excesso de liberalidade por parte da Igreja que aceitam que os frequentadores das mesmas não se comportam adequadamente para o local e o momento que é um local de encontro e um momento de louvação ao nosso Deus!! Dai eu entendo que deveria haver um pouco mais de rigidez quanto a entrada dos fiéis nas Igrejas se comportando de forma mais respeitosa pois ali é a casa de oração e também a casa de Deus! Mas tudo isso poderia ser feito se houvesse uma educação religiosa mais cuidadosa quando da sua iniciação.

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 12:16
    Permalink

    Quando o senhor diz “retrocesso a Trento” já mostra sua conduta quiçá herética e ídolo-ideológica: para o senhor, o Vaticano II é ruptura, refundação. Trento não é do seu gosto luterano. E mais: o Vaticano II não determinou o fim do latim na Santa Missa nem a mudança de posição do sacerdote, mas apenas o afastamento da mesa do altar-mor propiciando um espaço de trânsito. O senhor, ao que parece, gosta de invocar as origens: aposto que a Santa Missa que o senhor celebra só tem cantos hebraicos supostamente cantados durante a Santa Ceia. Devidamente traduzidos para o português, obviamente.

    Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 23:52
      Permalink

      Você diz que o Concílio Vaticano II é ruptura, mas ao mesmo tempo, diz que este mesmo concílio não determinou o fim do latim e nem a mudança de posição do sacerdote. Se o Concílio não determinou tais mudanças, então ele não pode ser ruptura. Não seja incoerente!

      Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 10:03
    Permalink

    É difícil discutir esse assunto. Nossa igreja tem vários carismas. Contudo não podemos esquecer que é o espírito santo quem sopra e a conduz. Não são palavras humanas que vão nos nortear. Mas sim o sopro do Espírito Santo.

    Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 12:52
      Permalink

      E o Espírito Santo pede obediência.

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 13:04
      Permalink

      O Espírito Santo não confunde os fiéis. E hoje o que vemos é confusão e ignorância das verdades da Fé. Há muita gente fazendo o que lhe dá na telha e pondo na conta do Espírito Santo.
      Muitos atribuem sem qualquer pudor qualquer coisa e qualquer sensação ao Espírito Santo. Perdeu-se por completo o respeito ao Santo Nome de Deus, e toma-se o nome de Deus (Espírito Santo é Deus) em vão sem o menor escrúpulo. Ah, se vissem quanto de discernimento e auxílio de experimentados e santos diretores espirituais exigiam os santos para afirmarem que algo provinha do Espírito Santo, e não era uma artimanha do demônio…

      Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 09:49
    Permalink

    Respeito a postura e conduta a ser restabelecida ,mas não posso deixar de dar voz aos muitos que serão de certa forma excluídos. Falo dos muitos portadores de deficiência física, dos muitos enfermos, dos idosos que pela idade já precisam ser amparados para manterem-se de pé. E que vivem em comunhão com Cristo por toda vida e não somente ao receberem a sagrada Hóstia eucarística!

    Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 13:16
      Permalink

      Os casos especiais são tratados especialmente. Nem Deus nem a Igreja exigem o impossível. Quem não pode ajoelhar-se não se ajoelhará. Não sei que imagem cruel se possa ter da Igreja pensar que se exigirá que um cadeirante se ajoelhe na Consagração e ao receber a Sagrada Comunhão…
      Uma das cenas mais impressionantes e comoventes que já vi de adoração foi a de uma senhorinha que ia à Missa diariamente na Catedral de Pelotas. Ela tinha dificuldade para caminhar e padecia visivelmente de limitações em todos os seus movimentos. Mas em todas as Consagrações e todos os pós-Comunhão ajoelhava-se vagarosa e sofregamente, com evidente devoção e piedade. No último verão não a vi. Que Deus a tenha consigo. Nesta ou(e) na vida eterna.

      Resposta
  • Pingback: Prefeito da Liturgia do Vaticano pede neste Advento que todos sacerdotes e bispos celebrem a missa “ad orientem” e fiéis ajoelhem-se para a Comunhão por Sensus Fidei – Da Mihi animas

  • 7 de julho de 2016 em 07:01
    Permalink

    Pe Domingos Sávio, o senhor é realmente sacerdote para afirmar tais coisas? Tenho severas dúvidas. Severas! A mim não parece afirmações de um sacerdote da Igreja Católica. Se o for, estamos muito mal. Muito! Prefiro acreditar que é apenas um infiltrado na Igreja. Ou mesmo um anônimo se escondendo. De todo modo, o senhor, se for um sacerdote, deveria olhar para os comentários anteriores e posteriores ao seu e perceber o anseio das suas ovelhas. 99% aplaudem a medida do Prefeito! Por favor, retroceda o senhor, não a Igreja!

    Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 10:14
      Permalink

      Concordo em parte com Pe Domingos Sávio, mas, vamos ser obedientes e acreditar que com esta medida nos tornemos melhores, porque, vejo cada coisa vinda do povo, dos Sacerdotes e de mim também, que fico pensando, Meu Deus, por que ?

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 12:50
      Permalink

      Eu aplaudo de pé a decisão do Prefeito. Não sou sacerdote, quem deras se eu fosse. Sou um simples servo que abracei a Sagrada Liturgia. Saí de comunidades e movimentos e nunca tive uma presença tão viva do Senhor como sinto na Sagrada Liturgia. Sou constantemente, criticado pelas decisões firmes dentro da igreja pela conservação da Essência Litúrgica. Mas como guardião d’Ela, prefiro ser crucificado defendendo-a do que fazer a Obra de Deus por um simples “achar bonito ou fazer de qualquer jeito”.
      Também, me sirvo das palavras do padre Domingos Sávio, para dizer-lhe irmão: “A corda tu que dormes e volte ao Seio da Mãe Igreja. Que a paz esteja entre nós!

      Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 06:54
    Permalink

    Não existe nenhum retrocesso! E é muito simples respeito a Sacralidade da Litugia que nos impele o cuidado, adoração e respeito a Jesus Eucarístico! Não é questão de escolha, é OBEDIÊNCIA! E é apenas para os católicos, agora será visível os que realmente são… Por que existe alguns
    que se dizem ser’

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 05:58
    Permalink

    Temos de ser fieis a Igreja, ela é Mãe e Mestra da verdade! Avante Igreja!

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 05:11
    Permalink

    O que importa é a Eucaristia! Independentemente de Tento ou Vaticano II. Mas acretido que uma reforma das brechas deixadas pelo VaticanoII, no que se refere a Liturgia se faz necessário, para que os padres e leigos que servem no Santo Sacrifício não apareçam mais que o próprio Cristo Sacramentado. Como João Batista nos ensinou: “Convém que ELE Cresça, e que eu diminua”.

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 03:25
    Permalink

    Finalmente. Deus se mostra Senhor de Sua Igreja.

    Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 10:05
      Permalink

      Verdade é muito lindo, voltar as boas e lembranças de obediência de criança. Para mim nunca teria mudado nada, Deus poder e bondade, víeis a TU obediência infinita.

      Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 03:05
    Permalink

    Creio que o Espírito Santo suscitou neste Bispo um novo profeta como Elias no antigo testamento. Corrigindo o que estão fazendo de errado dentro da Igreja Católica. Pois o ajoelhar se diante da Hóstia Santa e recebê -la na língua é o reconhecimento de cada ser humano batizado e catequisado dentro da fé católica do Senhorio e Poder do Nosso Senhor Jesus Cristo como nosso Deus vivo e ressuscitado presença real na Eucaristia!
    Pois todo joelho se dobrará e toda língua proclamará que Jesus Cristo é Rei e Senhor!
    Não realizar este ato significaria negar a nossa fé e não testemunhar o Ser Onipotente Onipresente e Onisciente que é o Nosso Deus na Pessoa de Jesus Cristo!

    Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 00:37
    Permalink

    Salve Maria.. Deus seja louvado, quero aqui agradecer ao Santo Padre Papa Francisco pela oportunidade e graça que está nos dando por defender nos nossos direitos de uma fé viva e integra. Por nós dar o direito de poder voltar a prestar um devido sacrifício de louvor e ação de graças ao Senhor Nosso Deus como lhe é devido. Santo padre me intristeca muito certos tipos de sacerdotes que parece q lhes gosta de ver nos ignorantes achando que somos incapazes de aprender latim por exemplo. Acho vergonhoso não entendo como um filho ficar sem conhecer a li guarda de sua própria mãe?..É triste de mais ainda que seja esse bastardo. Quanto mais um sacerdote não saber a língua de sua Igreja?! Não se interessar de ensina lá a seu povo? E mais ainda dizer que porq Cristo ensinou coisas novas afirmar ser um erro voltar às raízes. Quando V. Santidade mesmo tem nos dito isso sempre que é sempre preciso voltar às raízes. Cristo nos ensina os evangelhos depois do se nascimento veio novo testamento Ele apenas obedeceu. Agora muitos sacerdotes e bispos parecem que querem criar um outro testamento e não mais aderir ao de Cristo seus ensinamentos e da Santa Tradição?como se indo dessa forma irão claramente contra vontade de Deus.?Deixando de seguir a Cristo e seguindo suas próprias ideias. Será ótimo poder celebrar denovo dignamente esse Santo sacramento. Espero ansiosa por este dia. Fico ainda mais feliz por poder saber q nossos filhos e netos também poderão. Obrigada a todos. Me uno a vocês de todo coração com oração e súplicas pela suas fidelidade e para que sejam homens fortes, Santos e valentes. A Santa doutrina da Santa mãe Igreja.

    Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 07:55
      Permalink

      Agradeça ao cardeal também pela coragem! Um texto tão grande.

      Resposta
  • 7 de julho de 2016 em 00:14
    Permalink

    Como leiga agradeço a à Igreja a oportunidade que nos estão dando de poder voltar a fonte da agus viva e dar dignos louvores e adoração ao Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. É verdade muitos leigos não sabem latim mas vejo aí uma ótima ocasião para aprender, e mesmo para aqueles sacerdotes que não o conhecem mais uma oportunidade de aprender o que é vergonhoso pois como pode um filho não conhecer a língua de sua mãe? Acho que é hora de dar essa oportunidade também a nós pois há muitos que desejam aprender e poucos realmente que querem ensinar. O que penso eu um sacerdote não deveria nunca se opor aquilo de faz parte de si se verdadeiramente ama a Igreja como dizem que ama. Pois o amor é doação e dedicação e mais q tudo Zelo. Zelo pelas coisas de Deus, como pode abandonar aquilo q amamos, não é preciso cuidar, valorizar. Agradeço ao Papa por ver também em nós cristãos essa capacidade de sermos capazes até mesmo a isso. Tudo para Deus seja honrado, respeitado voltar a fé católica há nossas casas e famílias, nossas paróquias. Obrigada só Papa Francisco por nós dar essa oportunidade de poder voltar às nossas raízes, as raízes do catolicismo e da sagrada tradição católica e poder apresenta las aos nossos filhos e netos. Obrigada ao Por nós defender e acreditar no nosso potencial e capacidade como cristãos de amadurecer caminha crescer e dar passos pois como disse somos capazes de, “aprender latim” Padre Domingos Savio.Nao somos obrigados a permanecer ignorantes e agradeço ao Papa por ver isso, nosso potêncial. Cristo tinha todo direito de mudar de transformar o coisas Ele era Deus, por isso acredito q Ele não retrocedeu mas cumpriu o seu dever. Obedeceu ao se Pai. Agora cabe a nós não nos acharmos no direito de mudar aquilo que Cristo nos deixou através da tradição dada aos apóstolos, pois penso que estamos muito longe de sermos deuses, para mudar segundo nossa própria cabeça nosso eu acho. Se queres mesmo seguir exemplo de Cristo como diz obedeça. Acredito que Ele não te pediu para passar por cima dos ensinamentos do vosso próprio Filho e dos ensinamentos da Santa Igreja…

    Resposta
  • 6 de julho de 2016 em 21:54
    Permalink

    Parece-me um retrocesso a Trento. Como Jesus celebrou a ceia com os apóstolos? O que Jesus fez em relação às tradições judaicas, senão mudanças? O que diz Paulo em 1Cor 11? O que o nosso povo sabe de latim e até nós padres? O que falar das diaconisas na história da igreja? É um São Tarcísio que levou comunhão para os presos? O altar não é o centro do sacrifício, da ação de graças? Jesus não está presente também na comunidade que se reúne para celebrar o seu mistério? Quando surgiu o sacrário nas igrejas?
    Prefiro acreditar no que foi e é o Vaticano II quando diz da atualização…
    Lamento muito os retrocessos…

    Resposta
    • 6 de julho de 2016 em 23:15
      Permalink

      Retrocesso jamais,apenas respeito a Jesus Eucarístico e a Santa Tradiçåo da Igreja!

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 00:09
      Permalink

      Acho o retrocesso mais respeitoso do que o avanço, onde sacerdotes banalizam o sagrado… prefiro retroceder a uma época que nunca vivi mas que havia respeito e zelo pelo sagrado, à um avanço onde a mundanização da Igreja acontece

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 00:30
      Permalink

      Padre, o retrocesso foi uma reforma litúrgica que esvaziou a liturgia de seu caráter sacro, afastando milhares de fiéis do culto católico, transformado muitas vezes em programa de auditória de quinta categoria. Reconheço que muitas inovações foram benéficas, como a reforma do Calendário Litúrgico, restaurando a centralidade do Domingo, a reorganização das Sacras Leituras e a introdução da Oração dos Fiéis. De resto, não era necessário destruir o esquema plurisecular da liturgia da missa, principalmente com a abertura para os inúmeros abusos que chocam fiéis e piedosos sacerdotes.

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 01:02
      Permalink

      Caríssimo Padre. A orientação ar orientem é antiquíssimo! Remota às celebrações eucarística da era das catacumbas de Roma. Acredito piamente que o senhor estudou história da Igreja, estudou a patristica e sabe que o rito da Igreja Primitiva mais se assemelha ao rito extraordinário do que o rito ordinário. Atualização da Igreja não é torna-la moderna como o mundo. Quantos santos e santas foram formados dentro do rito de Trento. Não é retrocesso porque a Igreja é una e indivisível, santa e irrepreensível e conserva a tradição Apostólica e a piedade na celebração dos Santos mistérios. Pax Domine et Semper Vobiscum!

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 01:24
      Permalink

      Algumas coisas você tem certa razão.
      Mas não DE nega a falta de obediência e referência as coisas sagradas por parte de clérigos e leigos em nossos dias.
      Quanto ao latim, o uso na Missa Nova seria para aquilo que é fixo e em ocasiões especiais e na Missa principal dos domingos e dias Santos.
      Retrocesso é a falta de fe. . .

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 10:36
      Permalink

      Com todo respeito sr padre (se for mesmo), mas o senhor está completamente por fora da realidade da Igreja. Os fiéis querem que a liturgia volte completamente para Nosso Senhor Jesus Cristo. Isso não é retrocesso é avanço! Basta de missas feitas de qualquer jeito.
      Que Deus dê vida longa ao Cardeal Sarah. Deo Gratias!

      Resposta
    • 7 de julho de 2016 em 10:44
      Permalink

      Padre, . espero que não leve em consideração o palavreado do irmão. Todos temos livre arbítrio de colocar nossas opiniões. O que precisamos é respeitar a opinião dos outros e ter a caridade em exortar aquilo que não concordamos. Quando temos Deus no coração, procuramos olhar tudo com os olhos de Deus. Espero que essa mudança ou essa volta daquilo que já se viveu, não afaste mais ainda os católicos da igreja. Falo daqueles católicos de somente ir à missa aos domingos. Concordo que precisamos viver melhor a Eucarista, mas, temo que a celebração se torne uma celebração de um Jesus que continua no calvário e que não teve a alegria a ressurreição. Eu quero e pretendo celebrar a alegria de um Jesus vivo, ressuscitado. Acredito que também seja essa sua postura. Fique com Deus e que o Pai das misericórdias dê sabedoria ao nosso Papa para discernir a vontade de Deus.

      Resposta
      • 7 de julho de 2016 em 18:19
        Permalink

        Simplesmente abrigado pela sua simplicidade e compreenção!

        Resposta
        • 7 de julho de 2016 em 18:48
          Permalink

          Rev. Pe. Domingos, salve Maria!
          Como o senhor bem sabe este é um assunto que causa inflamados debates. Peço-lhe sinceras desculpas por comentários ofensivos e desrespeitosos, sobretudo, este em questão, já removido. Comentários desrespeitosos e ofensivos não são tolerados e fogem do propósito deste blog. O senhor seja sempre bem-vindo. Rogo-lhe sua bênção e compreensão.

          Resposta
          • 8 de julho de 2016 em 15:03
            Permalink

            Obrigado.
            Que Deus abençoe a você e a todos que trabalham neste site.
            É interessante como as pessoas agridem e não argumentam!
            Não sou herético, sou católico e de fato sou padre e amo a minha Igreja do fundo meu coração e da minha alma.
            Queria poder colocar outros argumentos, mas creio que as pessoas precisam estudar mais, pesquisar mais antes de atacarem.
            Sempre me mantive numa postura de respeito as diferenças e de acolhimento o que a santa Igreja nos orienta. Vou preferir voltar ao meu silêncio.
            De qualquer forma, agradeço a compreensão se todos vocês.

    • 7 de julho de 2016 em 13:13
      Permalink

      Pe.Domingo Savio,eu concordo com sua opinião . COMO JESUS CELEBROU A CEIA COM SEUS APÓSTOLOS. A igreja tem que seguir o que Jesus ensinou, e não o que o homem impõe. E tem tanta coisa para a Igreja fazer , ajudar, preicupar-se………………fome em diversos países, refugiados, falta de pastores para levar a palavra, idosos, doenças, crianças órfãos, doentes. ……………….JESUS DISSE PARA OS APÓSTOLOS SAIAM DE DOIS EM É LEVEM A BOA NOVA. ……….

      Resposta
  • 6 de julho de 2016 em 21:36
    Permalink

    Graças a Deus! Que todos os Padres obedeçam!

    Resposta
  • 6 de julho de 2016 em 20:19
    Permalink

    – Coloco aqui minhas saudações como batizado, e através da iluminação do santo espírito de Deus que une tudo à todos, que o Bispo está no caminho certo para a salvação de nossas almas, pois somos como ovelhas sem pastor no meio de lobos vorazes, e só voltando nosso olhar para o Deus todo misericordioso é que poderemos voltar a ver a porta estreita e o caminho difícil que nos levará ao tabernáculo divino, na presença do Deus todo poderoso!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

WP-Backgrounds by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann