“Não há como não se reconhecer pecador, sentir-se comovido por poder estar ali presente, cada músculo tremendo de emoção e se comovendo com o santo Sacrifício de Jesus”

AltarTM2

Cecilia González Paredes | Adelante la Fe | Tradução Sensus fidei: Desde o meu nascimento meus pais me criaram na Igreja Católica. Eu estudei em um colégio “Católico” e pensei que isso era tudo o que havia nesta Igreja. Ao longo dos anos comecei a entender a Missa Ordinária, que é o único rito que se celebra no meu país.

Há cinco anos atrás retornei definitivamente para casa, depois de muita confusão, provações e renúncias. O que me ajudou muito foi ver o compromisso com a Fé de várias pessoas nos Estados Unidos. Ali aprendi questões que não abordam nas catequeses de preparação para os sacramentos na cidade onde vivo atualmente.

Nesta busca, comecei a questionar se o rito em que nasci e cresci era tudo o que havia. Na leitura de vários textos do Vaticano II, descobri que várias coisas agora são permitidas e muitas das que eu via não eram nem sequer mencionadas ali. Um documento conecta a outro e quando comecei a ler sobre o rito que agora chamam de extraordinário, ou como muitos o chamam, desdenhosamente, Missa em latim.

Já nos Estados Unidos fiquei surpresa ao ver muitas jovens usando o véu na Missa e em Adoração Eucarística. Portanto, eu também li sobre este costume e chegou o dia em que decidi que chegara a minha vez. Aos poucos busquei incorporar em minha vida de oração um desafio (além de aumentar o tempo) e comecei a aprender a recitação do Pai Nosso e da Ave Maria em latim. Depois, vieram os vídeos de Missas celebradas pelo Santo Padre de Pietrelcina e o Papa Pio XII. É importante lembrar que o Papa Bento XVI no “Motu Proprio Summorum Pontificum” reitera a unidade do Rito Romano ou Latino, o qual se expressa em duas formas: a Ordinária e a Extraordinária. No entanto, muitos fazem vista grossa para este documento.

Após essa análise ficou clara que a minha curiosidade cresceu a um ponto máximo. Comecei a perguntar e ninguém no meu país celebrava este rito antigo. Comecei a procurar em países vizinhos, encontrei alguns lugares onde talvez eu pudesse ir. Eu quis ir a um encontro sobre Liturgia Sacra em Nova Iorque, mas a questão econômica e o tempo não condiziam. Quando me resignei a deixar essa inquietação, encontrei um dia o anúncio do congresso do Summorum Pontificum no Chile.

Quando revi a viabilidade de assistir, tudo se mostrava favorável. Então, por que esperar mais?

Já no primeiro dia houve a celebração da Missa logo pela manhã, fui direto para o rito extraordinário. Um pouco nervosa, porque eu ainda não domino as posições e não tinha um missal. Afinal, em caso de dúvida pode-se ajoelhar e permanecer de joelhos e não há problema. A primeira impressão da Missa rezada? Eu e outros assistentes da Missa não “participávamos” de maneira ativa. E sim, passamos mais tempo de joelhos do que na Missa normal, mas as horas diante do Santíssimo já me deram o treinamento necessário para permanecer nesta posição.

O segundo dia, fui pela primeira vez para o rito ordinário em latim (as leituras se realizam no vernáculo). Isso me deu a possibilidade de simplesmente observar a celebração do rito extraordinário. Cuidadosamente eu descobri muitas coisas que eu lera quando preparei algumas catequeses sobre Liturgia, quando falei sobre o sacramento da Eucaristia e que não me encaixavam no rito que é celebrado em minha cidade. De perto, e com a possibilidade de observar e quase escutar os sussurros do sacerdote na celebração, fui capaz de compreender esse sacrifício incruento no altar. Todos os gestos, o cuidado, o respeito, a solenidade tanto do sacerdote como do coroinha eram para mim impressionantes.

Esse segundo dia, no período da tarde celebrou-se a Missa cantada. A primeira Missa cantada na minha vida. Fui tocada ao ver todas as outras mulheres e meninas com o véu, pensando comigo mesma que agora sou eu a “rara”. No “Motu Proprio” do Papa São Pio X “Tra Le Sollecitudini” menciona-se que a música está a serviço do culto, razão pela qual não pode ser a protagonista de uma Missa. Neste caso, desde o canto de entrada, o Glória, o Kyrie, o canto da comunhão e até o final, a música não incomodou nem protagonizou, ao contrário, acompanhou a solenidade da celebração.

Nesta celebração ficou evidente algo que é muito importante no rito e ordinário e que é a participação ativa do que assiste a Missa. Nesta Missa passei muito tempo de joelhos, em oração em meu coração, observando algo extraordinário, onde nem eu e nem meus irmãos reunidos no templo tínhamos que ser os protagonistas. O incenso se usa de maneira constante, e embora alguma vez pensei que isso poderia me causar alergia, reconhece-se que esse odor está associado a algo fora deste mundo. Entre lágrimas reconheci como este é o sacrifício de Jesus ao Pai, por amor aos que em silêncio estávamos presentes, e por amor àqueles que esperamos algum dia estarem presentes. Esta presença real de Jesus e sua Corte Celestial foi evidente, de joelhos e olhando fixamente para o altar, eu me senti estremecer. Não há como não se reconhecer pecador, sentir-se comovido por poder estar ali presente, cada músculo tremendo de emoção e se comovendo com o santo Sacrifício de Jesus.

Compreendi totalmente porque eu devo respeitar um sacerdote, porque aquelas mãos no momento da Missa, tocam meu Senhor. Compreendi muitas coisas mais com a minha mente, enquanto meu coração chorava por dentro. ESTE É O CULTO QUE VÓS MERECEIS, MEU DEUS TODO-PODEROSO!!! A Vós, Honra e Glória pelos séculos dos séculos! Creio que todos os salmos de louvores da Liturgia das Horas brotaram desde o mais profundo do meu ser.

O momento da Comunhão foi realmente de alegria! Há alguns meses estive meditando sobre este momento. O mesmo Cristo ressuscitado oferecendo-me o alimento que minha alma necessita para a vida eterna. Realmente tem sentido recitar o ato de contrição e repetir três vezes “Senhor, eu não sou digna de que entreis em minha casa, mas dizei uma palavra e a minha alma será salva”. Ali, de joelhos esperando a minha vez para receber o Cristo em tão humilde forma, meu coração batia como quando se vai enamorado ao encontro do Amado. E nesse instante ouvi: “Corpus Domini nostri Jesu Christi custodiat animam tuam in vitam aeternam. Amen” (“O Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo guarde tua alma para a vida eterna. Amém”).

Quanta beleza! Quanta sacralidade e respeito! Se o problema de que muitas pessoas se queixam de que a Missa é chata, é porque elas não viveram esta celebração e definitivamente ignoram o que acontece. No final da Missa, não pude deixar de pensar que muitas pessoas nunca estará prepara para a Missa e muito menos tem a oportunidade de conhecer este rito como parte da riqueza que a Igreja preserva.

Não pude evitar tampouco sentir muita tristeza, porque estive na entrada do Céu, e agora teria que voltar para uma cidade, onde nem sequer o rito ordinário é celebrado com cuidado. Da montanha onde contemplei meu Senhor, ao deserto, onde a Missa é maltratada para agradar os assistentes, para agradar o mundo. Muitos pensamentos mais tive em seguida, mas agora eu entendo porque a busca, a preparação… e que na ausência de uma orientação por parte dos sacerdotes, um católico deve preparar-se a si mesmo. A recitação do Rosário, a Adoração Eucarística, a Confissão e a oração constantes, foram criando em mim um espírito disposto à contemplação, razão pela qual pude viver e me sentir em casa durante as Missas do rito extraordinário. Eu saí de minha comodidade e preguiça, para buscar o Amado, que sacia minha sede. E quanto amor derramou sobre mim, sua pequenina filha.

Rogo a Deus Pai, Filho e Espírito Santo, e peço a intercessão e oração dos anjos, santos e de nossa Mãe, para mais cristãos possam conhecer, educarem-se e ter a alegria que eu experimentei por um breve tempo.

Judica me, Deus, et discerne causam meam de gente non sancta.

Cecilia González Paredes

Como terra árida te busquei: Meu encontro com a Missa Tradicional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

WP-Backgrounds by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann