Essa devoção, ensinada pelo próprio Jesus no século XVII em uma sobrenatural manifestação à Santa Margarida Maria Alacoque (1647-1690), consiste em receber a Sagrada Eucaristia durante 9 sextas-feiras consecutivas

BrunoCorncachiola
Bruno, sua esposa Iolanda e seus três filhos.

Sensus fidei: A devoção das Nove Primeiras Sextas-feiras, conhecida prática católica dedicada ao Sagrado Coração de Jesus, foi fator decisivo na conversão do ex-protestante e ex-comunista Bruno Cornacchiola. Essa devoção, praticada por sua esposa, resultou que ele e seus filhos recebessem a extraordinária graça de serem escolhidos pela Mãe do Senhor para uma de suas importantes manifestações — neste caso, uma mensagem estritamente direcionada ao Santo Padre Pio XII.

Morte ao Papa

Bruno Cornacchiola nasceu em 1913 em Roma. Filho de pais desestruturados fugiu de casa aos 14 anos. Graças a uma mulher chamada Maria Farsetti, recebeu algum ensino religioso, fazendo então sua primeira comunhão. Após o serviço militar, na idade de 23 anos, casou-se com Iolanda Lo Gatto. Para ganhar algum dinheiro decidiu lutar nas tropas nacionalistas na Guerra Civil Espanhola, embora realmente sentia-se inclinado para o comunismo.

Logo que chegou à Espanha, sob influência de um protestante alemão abandonou o Catolicismo, convencido pelo amigo de que o papado era a causa de todos os males do mundo. Foi-lhe inculcada a peculiar aversão protestante à Santíssima Virgem e ensinado que o Papa era a besta do apocalipse. Fanatizado, Bruno passou a nutrir intenso ódio para com a Igreja e fez o juramento de matar o Papa.

Persuadido dessa ideia, comprou um punhal em Espanha especialmente para esta finalidade, no qual talhou as ameaçadoras palavras: “Morte ao Papa.”

Em sua Fé, a esposa de Bruno recorre ao Sagrado Coração de Jesus

Suas novas crenças protestantes assustam sua esposa, que passa a ser inclusive agredida fisicamente por ele. Em sua cegueira, ele destrói todas as lembranças católicas, sacramentais e imagens sagradas que tinha em sua casa. Decide aderir à sua nova fé através da Igreja Adventista, localizada em Roma.

Antes porém de passar a frequentar os cultos, tenta persuadir sua mulher a converter-se ao protestantismo. Pressionada, ela concorda, mas com uma condição: a de que ele fizesse a devoção das Nove Primeiras Sextas-feiras, conhecida prática católica dedicada ao Sagrado Coração de Jesus. Essa devoção, ensinada pelo próprio Jesus no século XVII em uma sobrenatural manifestação à Santa Margarida Maria Alacoque (1647-1690), consiste em receber a Sagrada Eucaristia durante 9 sextas-feiras consecutivas.1

Ficou combinado entre Bruno e sua esposa que, se, porventura, ao final desse período ele ainda estivesse determinado a se tornar um protestante, ela o acompanharia em sua nova crença.

Iolanda acalentava a fé de que Deus de alguma forma convertesse seu marido. No entanto, no final dos nove meses, Bruno mantinha firme sua adesão à crença adventista. Assim, relutantemente, ela foi obrigada a se render às novas convicções religiosas do marido.

Em seu ranço anticatólico, Bruno escreveu: “Nossa Senhora não é virgem, não é imaculada, não é a ‘Senhora da Assunção’”

De 1939 a 1947 Bruno trabalhava como condutor elétrico, em Roma. Nessa época tinha três filhos Carlo, Gianfranco e Isola, com idades respectivas entre 7, 4 e 10 anos. Sua violência para com a esposa continuava, causando muito sofrimento tanto para ela como para as crianças. Agora ele era um comunista convicto que mantinha o secreto plano de matar o Papa.

Era final de inverno. Bruno se encontrava a passeio em Tre Fontane. As crianças brincavam com uma bola à orla da floresta de eucalipto. Tranquilamente, sentou-se para escrever um documento contra a Virgem Maria, tema que apresentaria na pregação que faria no dia seguinte, em sua igreja.

Naquele momento, ali estava um agitador protestante, desenvolvendo um tema contra a Virgem Maria. Sua redação devia ser violenta, arrogante, e ao mesmo tempo convincente. Numa pasta ele trouxera sua Bíblia protestante. Logo em suas primeiras frases ele estabelece a negação, em primeiro lugar, dos privilégios concedidos por Deus a Maria, Sua Mãe. Bruno escreveu: “Nossa Senhora não é uma virgem, não é imaculada, não é a ‘Senhora da Assunção’.

“Linda Senhora… Linda Senhora! …”

Nesse momento, Bruno foi interrompido pelas vozes de seus filhos que  começaram a gritar: “Papai, perdemos a bola, ajude-nos a encontrá-la.”

Logo encontrou a bola e passou a brincar com seus filhos até que em um dos chutes fez com que a bola subisse de forma tão espantosa que desapareceu. Novamente ele sai a procurá-la recomendando aos filhos para que permaneçam onde estavam.  Enquanto procura a bola, Bruno grita o nome dos filhos para certificar-se de que continuam onde os havia deixado. Porém, repentinamente, Gianfranco não responde mais aos chamados.

“Gianfranco, onde estás?” chama em vão o pai. Não obtendo resposta e ficando mais e mais preocupado, relembra: “eu o procurava freneticamente por entre os arbustos e as rochas.

Finalmente encontro meu filho ajoelhado na entrada de uma gruta. Suas mãos em oração e os olhos fitando intensamente o interior da gruta. O garoto estava sorrindo e sussurrando alguma coisa. Aproximei-me dele e pude ouvir estas palavras: “Linda Senhora… Linda Senhora!…”

O que acontece, em seguida, é um dos mais belos e recentes casos de conversão já registrados. Uma conversão, que como se verá, ocorreu como uma resposta do Céu em atenção a súplica de sua esposa, através de sua fé sincera e humilde na Devoção das Nove Primeiras Sextas-feiras ao Sagrado Coração de Jesus.

Continue a leitura no arquivo em versão pdf abaixo também disponível para download.

______
1      No século XVII, o jansenismo (heresia que constituiu uma corrente semiprotestante no interior da Igreja), era de um duro rigorismo e sem propósito. Foi instituída pelo holandês Cornélio Jansênio, bispo de Ypres (1636). Sua teologia negava a infinita misericórdia de Deus e defendia a predestinação. Tal heresia foi condenada por diversos Papas, entre eles Inocêncio X, pela bula papal Cum occasione (1653). A principal característica dessa heresia consistia no fato de que se tornava uma espécie de protestantismo mitigado, infiltrado dentro da Igreja, causava grandes danos entre os fiéis. Destruía nas almas a noção da misericórdia de Deus e da confiança filial que devemos ter em relação ao Pai Celeste, inculcando um temor desprovido de amor, inclinando os católicos a fugir dos Sacramentos, sobretudo da Sagrada Eucaristia. Foi então que Nosso Senhor Jesus Cristo manifestou-Se a Margarida Maria Alacoque, jovem religiosa da Ordem da Visitação, para transmitir sua mensagem de misericórdia e confiança, expressa no Coração humano e divino do Verbo Encarnado. O culto ao Sagrado Coração de Jesus obteve a partir de então grande impulso e alastrou-se por toda a Igreja. Atualmente, esta devoção é preservada no seio da Igreja pelo movimento do Apostolado da Oração.

Devoção ao Sagrado Coração de Jesus praticada pela esposa de ex-protestante e ex-comunista foi fator de sua conversão

2 ideias sobre “Devoção ao Sagrado Coração de Jesus praticada pela esposa de ex-protestante e ex-comunista foi fator de sua conversão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

WP-Backgrounds by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann